Translate (tradução)

sábado, abril 29, 2017

SOBA KEXIKO E CA FINA

OU
A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DAS LINGUAS LOCAIS NO TRABALHO COMUNITÁRIO
Conta-se que um governante enviado ao planalto central para governar Wambu Kalunga decidiu levar a sua secretária, jovem esbelta e fina no falar e atender. Fineza trabalhava com o chefe havia anos e era tida como "filha do Senhor Governador",  encarregada também de resolver determinados assuntos "protocolares, diplomáticos, familiares  e particulares". Foi numa dessas "missões especiais e de elevada confiança" que Fineza foi enviada a uma aldeia entre Wambu Kalunga e Kahala para levar uma encomenda a uma diaconisas que era fazedora de opinião na comunidade religiosa, sendo muito prestigiada e respeitada.
O governador, neófito na província, mas com um estilo de governação dialogante e cooperante, procurava aproximação aos líderes comunitários e transmitir-lhes o seu plano de governação.
Chegada ao local, Fineza, com toda a finúria declarou: 
- Sua excelência, Senhor Governador, mandou-me entregar essa encomenda e essa carta que contém também um contacto telefónico. A diaconisas que se encontrava em rezas, agradeceu e finalizou com uma interjeição em Umbundu, ca fina! (Que bom!)
Chegada junto do chefe, Fineza, que nunca quis aprender línguas africanas, explicou que havia sido recebida pela "tia Fina" (tcha fina) que ligaria ao governador no final do serviço religioso.
O governador que era nativo percebeu a calinada e pensou em um outro exercício que levasse a sua secretária a descobrir e agregar à sua a beleza a beleza das nossas línguas.
A leste da província estava uma pequena comunidade tucokwe (tutchocue) entre povos ovimbundu que resistia à assimilação progressiva. O governador mandou Fineza levar uma missiva, informando que só ao soba daquela comunidade devia ser entregue.
- Bom dia mamã! - Saudou Fineza.
- Menekenu yaya. Yeswe tuli kanawa. Kuci yena?! (Bom dia irmã. Nós estamos bem. E vós?!). - Respondeu a mulher do soba que entendia português, mas é costume não responder em língua não local (Ucokwe ou Umbundu).
- Gostaria de falar com o soba.  - Solicitou Fineza, a secretária do governador.
- Soba kexiko (o soba não está).
Eventualmente, os gestos terão levado  Fineza a depreender que o régulo se encontrava ausente, não podendo avançar com a diligência. Porém, mais uma vez, o desconhecimento da língua fê-la transmitir ao chefe que não tinha encontrado o "soba ti Chico" (soba kexiko).
O governante teve de arranjar cursos de línguas africanas faladas na região, sendo hoje Fineza uma jovem cada vez mais fina no tratamento aos mais-velhos que procuram por serviços do Governador.

Texto publicado pelo jornal Nova Gazeta
 
 

sábado, abril 22, 2017

CHORANDO POR ALGO ALHEIO


Conheci Panguila no início da primeira década do séc. XXI.

Primeiro, foi para alimentar a curiosidade de conhecer o famigerado Kifangondo, onde "os mercenários zairenses e outros tantos angolanos que pretendiam impedir a proclamação da independência, pelo MPLA, a 11.11.1975, foram travados". Depois, foram as "cacussadas" que o meu amigo AML me proporcionava de vez em quando, e ainda idas à CAOP para ver os pais do meu compadre Martins.

O momento mais marcante dessas idas a Cacuaco, Kifangondo, CAOP e Panguila foi quando a UNITA ATACOU Caxito. Eu tinha acabado de receber o telefone "Repórter LAC". Xê, só banga?! Não vale a pena!! Acabei fazendo um directo e exclusivo para o noticiário das 12 e 30. Parece que uns tinham receio de informar o sucedido para não amedrontar o povo de Luanda. As pessoas chegavam ao Panguila exaustas, sem saber dos seus familiares e haveres. O clima era de medo e preocupação. Falei com alguns deles. A má-nova não tinha ainda sido veiculada na emissora pública. Liguei ao Director de Informação, "Zé Roda", e fiz o directo. Foi um "show". Às vezes, "a inocência do repórter e a ousadia do chefe" resultam em bons trabalhos. Fomos os primeiros a informar Luanda e arredores daquele bárbaro ataque.

Nos últimos 15 anos, visitei o Panguila (aldeia) só mais duas ou três vezes: o bairro em construção, onde esperava por uma mão caridosa e um tecto (enquanto não tive casa, qualquer servia) e visita a um casal amigo que lá mora.

Em abono da verdade, nunca tinha adentrado o bairro. Nunca fui às zonas mais profunda daquela "urbanidade"(?!), como o Sector Sete (de baixo e de cima), Sector Oito, entre outros mais distantes da estrada Cacuaco-Caxito.

Se o mercado que acolhe os vendedores do antigo mercado Roque Santeiro é um encanto, o mesmo não se pode afirmar, com todas as letras, quanto ao bairro interior. Algumas casas a despencar por causa da erosão da argila, traçados para ruas repletos de capim, lodo e buracos se revezando aí onde se circula, etc.

Acho que o Panguila é uma "urbanidade" muito nova para ficar do jeito em que os meus olhos o enxergaram. É também muito próximo de Luanda e não devia se transformar numa aldeia rural (que pode vir a ser, caso aquele estado se mantenha progressivo).

Texto publicado no Semanário Nova Gazeta.

sábado, abril 15, 2017

PENSANDO EM PESSOAS E ORGANIZAÇÕES

Por que perdem as organizações os clientes e a estima?
Um estudo realizado por uma agência brasileira que estuda o comportamento organizacional aponta que 65% (sessenta e cinco por cento) das causas da perda de clientes por parte das organizações é por indeiferença de quem os atende.
Um cliente pode ser também entendido como um utente de serviços prestados por entes privados e ou públicos, como é o nosso caso. As pessoas internas ou externas que se dirigem aos nossos serviços são utentes ou, na perspectiva mais lata, nossos clientes.
A perda do utente/cliente ou a perda da consideração, respeito e estima que o mesmo tinha por nossa organização e por nossa pessoa é um aspecto a ter em conta quando se analisa o comportamento organizacional, onde as acções e atitudes do Capital Humano são fundamentais. Afinal, o Homem é a razão do sucesso e insucesso das organizações.
Reflita um pouco.
Você faz o máximo para manter o cliente/utente e a estima que esse tem sobre a sua organização e sobre você no seu local de trabalho?
Os culpados pelos nossos insucessos, bastantes vezes, somos nós mesmos. Se o seu utente ainda não é tratado como a peça fundamental do seu sucesso e do sucesso da sua organização, dê mais atenção a quem procura por si e pelo seu trabalho. Explique mais. Seja simpático e crie empatia.
Às vezes, ele(a) só precisa de uma boa atenção ou explicação!
Comece a tentar hoje mesmo. Você verá que o seu dia melhora e a reputação da sua Organização ou Direcção também. Até você passa a ser estimado(a) como nunca.
 

sábado, abril 08, 2017

FIM DE MISSÃO


Já lá vão três anos que Mangodinho teve a arriscada ideia de construir instalações para o que pode vir a ser o Posto Médico da aldeia. Como homem avisado, cuidou também de mandar à Huíla miúdo Russo e Sembe, jovens da aldeia que não hesitaram em aproveitar a oportunidade de crescer na vida e ajudar o povo. Aliás foi mesmo esse o discurso de Mangodinho quando os abordou.

- Miúdo Russo, como vês, aqui as pessoas morrer é tipo cabrito. Não há enfermeiro nem Posto. Não queres estudar saúde? Já falei com o meu pai que foi trabalhar no Lubango e ele pode ajudar. Pelo menos cresces na vida e ajudas o povo.

miúdo Russo, miúdo de visão, não hesitou.

- Obrigado Tigodinho. Muito obrigado. Vou já avisar a mãe. É mesmo avisar.

Mangodinho falou também com Sembe sobre o assunto e nos mesmos termos. Sembe, miúdo crescido e já um pouco viajado, viu naquela proposta a vez da sua vida.

- Já aceitei, tio. Não precisa só se dar massada de explicar. Não aproveitar é ser burro e continuar na lavra e nos alambiques. -Concluiu Sembe, fazendo-a à casa para avisar os familiares.

Já não era boato. Era certeza. O chefe Sabalo, tio de Mangodinho que foi ao Lubango trabalhar na ordem e segurança, cuidou de os inscrever na Escola Técnica e instalar no internato de Tchivinguoro. Vezes tantas levou apoio moral e material para suprir carências de visita e de quem vive de braços estendidos.

Mangodinho, hoje distinto daquele que aportou à Ngwimbi em situação de óbito, é homem diferente, iluminado.

Com as instalações erguidas e os dois técnicos formados, mesmo que venham a ser pagos apenas pela comunidade, só restará pedir à administração os equipamentos e medicamentos. Mangodinho é, ao que diria Salas Neto, "um filósofo de bairro" ou um "mago no escuro da aldeia rural". Ele foi felicita-los pelo empenho e leva-los de volta à Pedra Escrita.

- Epá! Ti Godinho e chefe Ti Sabalo! Muito gosto. Obrigado por nos darem o estudo e virem nos visitar. - Soltaram em coro miúdo Russo e Sembe.

- Nós é que agradecemos o vosso espírito de entrega é de sacrifício. Sabia que a vossa vida aqui, longe da família, não seria fácil mas confiei também na vossa resiliência, enquanto jovens comprometidos com o bem-estar da população. - Agradeceu Mangodinho.

- Tio, só o começo é que foi duro, explicou miúdo Russo a desembrulhar os certificados, mas o resto foi fácil, porque o chefe tio Sabalo estava sempre aqui ou íamos com ele à cidade comer e beber.

Cumprido o protocolo junto da direcção do lar de estudantes, fizeram as imbambas e rumaram à cidade onde fariam a compra de algumas lembranças. Tchivingiro fica para a história. Dentro de uma semana, será a aldeia de Pedra Escrita a construir outras páginas em suas vidas.

Pacientes: feridos, encolerados, doentes de pele, crianças de barrigas fartas, todos pacientes. Eles também pacientes. Aguardavam-se uns aos outros.

A notícia da formação dos dois enfermeiros gerais tinha chegado cedo à sede do

município. Camas, medicamentos e lençóis chegaram 24 antes e, no dia do desembarque dos dois "kimbandas", o administrador já os esperava para as boas-vindas, apresentar o material de trabalho, as guias de colocação e abrir o Posto.

Mangodinho aproveitou pedir ao Cda administrador comunal para deixar a função de coordenador do bairro e se dedicar exclusivamente ao Partido. Afinal, era ano eleitoral.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

sábado, abril 01, 2017

ALMOÇO DE NATAL


Como excelente homem de caça, com muitos cães, armadilhas e boa pontaria na hora de levar o dedo ao gatilho da caçadeira ou da flecha, Mangodinho é apreciador de carne, mas a seca ou defumada fazem melhor o seu engodo.

Natal e ano novo chegaram. No mato é tempo de chuva, capim já alto com as presas distantes do olhar humano. Mangodinho e sua kalumba decidiram ir ao Lubango, visitar os tios e fazer-lhes companhia, num ano em que não havia motivação para festim. Os rapazes que foram cursar enfermagem ara a atender o  Posto da aldeia também avisaram em carta que enviaram no meio de Dezembro:

- Ti-Godinho, no começo do ano, vai nos buscar porque vamos já terminar a formação. O tio que nos ajudou, não dá para toda hora lhe pedir isso e aquilo. O tio, se puder, vem e , com ele, cuidam já de nos levar e tudo.

Até Luanda Mangodinho e a mulher foram de autocarro mas da capital às terras altas de Chela foram transportados num jeep V8 do chefe Sabalo. O motorista estava em Luanda e aproveitaram a boleia.

Pelo caminho, Kilombo, a kazola de Mangodinho, primeira viagem longa de sua vida, só espanto. Era capim, árvores, montanhas e tudo a correr para traz, enquanto as travagens tanto faziam-lhe vertigens quanto aproveitava dar uns bicos ao banco de frente, como se injectando a travagem.

Chegaram 18 horas, quando o sol já envergonhado, se escondia de trás da cordilheira. Casa vasta e arejada. Kilombo, boca aberta de convidar moscas. Pena ou sorte, não havia insectos na vivenda unifamiliar de portas e janelas enredadas.

No dia seguinte, domingo, dia de família, Mangodinho e Kilombo estavam sós. À volta, só aquele casão e as árvores a dançarem com o vento, parecendo que se iam partir, mas sempre flexíveis e a deixá-lo passar. As empregadas haviam sido dispensadas.

- Não precisam vir amanhã, nem façam turno. Aqui não haverá festa e vocês podem conviver todas, cada uma com sua família. - Ordenou Ita, a dona de casa. Kilombo só na contemplação e Mangodinho quase se instalou na adega. Desde aquele episódio do "dia da janta" que já não bebia vinho como água. Maneirava gestos delicados ao servir e entornar a água tinturada ao estômago carente.

- Vamos levar umas ofertas ao lar dos órfãos e visitar os dois meninos que estão a fazer enfermagem no lar de estudantes. Comam o que quiserem que nós comeremos pelo caminho ou algo rápido à chegada. Disse Sabalo, o tio, a despedir-se do casal.

Mangodinho na cave. Vinho pedia petisco. Já tinha provado o cheiro e sabor de presunto que se achava pendurado na cozinha. Cortou pedaços e levou consigo. Kilombo pensou em fazer almoço. Embora a arca estivesse a cuspir carnes e peixe para fora, técnica de descongelar e temperar não tinha ainda. No mato ou se come fresco ou seco. O .rio termo é somente o defumado. Assim como se apresentava aquela perna de porco, curada e já sem banha. Pensou na satisfação de seu marido ver à mesa carne seca de porco sarado, molho ajindungado de tomate e funji de bombó.

- O homem, com os vinho dele na cabeça, vai me gostar ainda mais e até vai andar me convidar nas reuniões do comissariado e nas visitas ao pai. - Pensou Kilombo.

O fogão cantava contente e o lume chiava. A panela brilhava e o molho corava. Presunto duro, duro como porco que resiste à morte. Mangodinho até gostou e lambeu os beiços. Meio sério, meio alcoolizado, ligou o leitor de DC e acompanhou Robertinho no"amor canarinho", improvisando uma serenata à Kilombo. 

Ita, Vanito e Sabalo entraram sem se fazerem denunciar. Não foi a pé de galo, não. A música que Godinho ouvia e acompanhava para agradecer o repasto servido por Kilombo é que estava mesmo alta.

- Ó Zequeno (assim é também tratado no seio familiar)?! - Chamou o tio.

- Pai!

- Para petiscar, precisavas levar a perna de presunto ao meio?

- Não, pai. Comi um pouco de carne crua com aquele vinho que me indicou e a sua nora cozinhou também outro bocado para o almoço.

 Ita, Vanito e Sabalo quase morreram de risos ao saber qual tinha sido o "gostoso pitéu" de Mangodinho naquela tarde de natal.

- Funji com presunto refogado em molho ajindungado de tomate?!